Viajando com Esclerose Múltipla

0

Oi Esclerosado, tudo bem com você?

Como estamos em período de férias, quero compartilhar com vocês algumas experiências sobre minhas viagens com EM e dar algumas dicas para vocês 😉

Minha família ama viajar e então, sempre que possível estamos na estrada ou nas nuvens. Minhas viagens não mudaram muito por conta da EM, mas agora preciso ficar mais atenta a algumas coisas.

A primeira delas é: nunca esqueço de levar minhas receitas de pulsoterapias (corticoide na veia) na mala. Já aconteceu de eu ter um surto em outra cidade e ter que voltar para poder fazer as aplicações (já que eu tinha deixado as receitas em casa). Dessa forma (depois de ter aprendido a levar as receitas), quando tive um surto em Brasília (visitando uma amiga), fui a um hospital bacana e realizei as pulsoterapias por lá. Não é o programa mais legal de se fazer em uma viagem, mas né… Se Deus quis assim, nois segue rs

SÉRIO. Levem sempre uma receita de pulsoterapia em suas viagens… Como já diria a minha mãe: ‘Não custa prevenir, né gente!?’.

Como eu tomo AVONEX¹, que precisa ficar em ambiente refrigerado, quando a viagem (de carro) não tem duração maior do que 8 horas (tempo que o gelox aguenta), eu levo o medicamento na bolsinha, com os gelinhos… Assim como a moça da farmácia de alto custo mandou rs

Para ir de avião, a agulha precisa ser despachada. Ou seja, coloque na mala que vai lá embaixo e prepare a bolsinha com os gelinhos como bagagem de mão. Meu médico (Saudades Dr, Getulio ;() prescreveu um ‘laudo’ sobre a medicação que eu tomo. Isto é, nesse documento ele explica que eu sou portadora de EM e me trato com AVONEX. 

Se caso eu tiver que explicar ou perguntarem alguma coisa, eu mostro esse papel, mas até hoje isso nunca aconteceu.

De avião: 
*** Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), é preciso apresentar a prescrição médica no momento do embarque, com a quantidade necessária para a terapia.

– O nome do passageiro deve coincidir com o escrito no documento.

– Em caso de viagens internacionais, é importante ter uma versão da receita em inglês.

– A Infraero recomenda que os remédios sejam mantidos fechados, em suas embalagens originais (a não ser que seja preciso usá-los durante o voo).

– De acordo a Anac, o transporte deve ser realizado em bagagem de mão.

IMPORTANTE: Eu sempre tento evitar ter que levar o remédio na viagem. Por exemplo: no momento, estou tomando a injeção de terça-feira de manhã. Dessa forma, tento viajar depois disso ou me adequar para poder tomar na minha casa. Nem sempre é possível ;(

Também não deixo de levar os remedinhos de sempre. Aqueles que curam as dores de cabeça ou do corpo (quando ou se eu sinto alguma delas).

Além de tudo isso, eu – uma pessoas POUQUÍSSIMO ansiosa – tento não pirar de nervoso. Porque né, não quero SURTAR (literalmente) nas viagens rs

Sabendo disso, boa viagem! Tire fotos, conheça lugares incríveis e histórias maravilhosas. Vou torcer para que a EM não te atrapalhe em nada =)

Estamos juntos nesta luta <3

Beijos,

Sil

1 – este conteúdo foi escrito na época em que eu me tratava com AVONEX, hoje me trato com Tysabri (Natalizumab). 

About Author

Leave A Reply